Sociedade de Pneumologia e Tisiologia
do Estado do Rio de Janeiro

logo facebook  logo twitter

 
Home >> Glossário >> M

Glossário



A - B - C - D - E - F - G - H - I - J - K - L - M - N - O - P - Q - R - S - T - U - V - Y - X - W - Z

Micoses Pulmonares

Conceito

Micoses pulmonares são doenças causadas por fungos e são consideradas micoses sistêmicas por serem adquiridas mediante a inalação de fungos existentes no meio ambiente e disseminadas para o resto do organismo.

Estes fungos inalados provocam lesões primárias pulmonares, a partir das quais resultam na disseminação do fungo pelo sangue para o resto do organismo.

Embora a maioria das infecções pulmonares sejam causadas por bactérias e vírus, as infecções por fungos vêm adquirindo mais importância dada a freqüência com que são diagnosticadas na atualidade, especialmente pelo aumento das populações de imunodeprimidos, ou seja, pacientes com a resistência diminuída, como aidéticos, pessoas com alguns tipos de câncer, receptores de transplantes de órgãos etc.

As principais micoses sistêmicas são coccidioidomicose, histoplasmose, criptococose e paracoccidioidomicose. Nestas micoses todos os órgãos vitais podem ser atacados e as lesões podem ser extensas.

Sintomas

A lesão primária pulmonar geralmente não apresenta sintomas ou pode manifestar-se por sintomas leves e transitórios como febre, tosse e mal-estar. Esta lesão primária é usualmente regressiva, ou seja, ela tende à cura espontaneamente, porém deixando lesões residuais.

Meses ou anos depois as lesões residuais podem ser reativadas por diminuição da resistência orgânica ou doenças associadas. Estas lesões de reativação podem limitar-se ao pulmão ou manifestar-se em vários órgãos, com evolução crônica e tendência progressiva.

Estas doenças geralmente se apresentam como quadros de pneumonia de evolução longa que não respondem ao tratamento antibiótico usual, e cada uma delas têm um quadro clínico diferente.

Tratamento

As lesões primárias destas micoses, devido a sua evolução benigna e muitas vezes despercebidas, não requerem tratamento. As formas progressivas devem receber antibióticos próprios e às vezes algum tipo de cirurgia.