Sociedade de Pneumologia e Tisiologia
do Estado do Rio de Janeiro

logo facebook  logo twitter

 
Home >> Perguntas Frequentes >> O que é asma?

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE ASMA

Colaboração: Dra Ana Lúcia Maranhão, pneumologista da UNIRIO; Dr. Hisbello da Silva Campos, pneumologista, responsável pela comissão de Asma da SOPTERJ, médico do Instituto Fernandes Figueira – FIOCRUZ; Dr. Gilmar Alves Zonzin pneumologista, presidente da SOPTERJ, professor da UNIFOA

1) O que é asma?

A asma é uma doença inflamatória crônica do aparelho respiratório, caracterizada por uma reação exagerada das vias aéreas a diferentes estímulos (biológicos, alérgicos, ambientais e físicos) e por uma diminuição variável ao fluxo aéreo, que pode ser reversível espontaneamente ou com tratamento.

Os sintomas principais são: episódios repetidos de chiado, falta de ar, aperto no peito e tosse, particularmente à noite e pela manhã ao despertar.

A doença resulta de uma interação entre uma herança genética e a exposição ambiental a diferentes fatores.

Na asma, todo o aparelho respiratório, que vai do nariz ao final do pulmão, está inflamado. Os brônquios são tubos que conduzem o ar para dentro e para fora dos pulmões, em torno deles estão músculos que se contraem ou dilatam em função da maior ou menor necessidade de ar. A inflamação do brônquio causando o espessamento de sua parede e a contração exagerada do músculo que fica enrolado neste, promovem uma redução do calibre brônquico, dificultando a passagem do ar, diminuindo a quantidade de oxigênio que chega ao corpo, causando falta de ar e o chiado no peito.

2) Qual o "tamanho" da Asma?

A asma é uma das doenças crônicas mais comuns no mundo, afetando cerca de 300 milhões de pessoas. Ela é uma das principais causas de faltas ao trabalho e na escola, causando custos elevados com a assistência médica para o seu tratamento. No Brasil, é uma das causas mais comuns de hospitalização.

3) Asma mata?

Sim. No Brasil, a asma é responsável por cerca de três mil mortes por ano, nas últimas décadas. Na maioria das vezes, as mortes estão relacionadas à crises graves e seriam evitáveis COM O TRATAMENTO CORRETO. As mortes por asma provocam questões sobre os efeitos do manejo médico.

4) Porque as pessoas têm asma?

Não existe uma causa única para a ocorrência da asma. Sua ocorrência é resultado da interação entre fatores genéticos, ambientais e outros fatores específicos, que provocam e mantêm a inflamação brônquica e, por consequência, os sintomas da doença.

Já falamos que o pulmão do asmático responde exageradamente aos estímulos ambientais. Os estímulos mais comuns são a poeira, onde vivem os ácaros, os cheiros fortes, como em parte dos materiais de limpeza e perfumes, a fumaça do cigarro e o pelo de animais. Outros estímulos que também inflamam o pulmão colaborando para o estreitamento dos brônquios, são as gripes e resfriados, exercícios vigorosos e prolongados, doenças como o refluxo gastroesofageano (que pode se manifestar como a chamada "azia" à vezes), alguns remédios ou alimentos. Outro estímulo importante é a exposição ao tabaco, por isto quem tem asma ou tem pessoas em casa com asma, NÃO PODE FUMAR,

5) Como se faz o diagnóstico da Asma?

O diagnóstico da asma deve ser baseado na história do paciente e na sua história familiar de asma. Na maior parte das vezes, a asma está associada à alergia. Sempre que possível as provas de função pulmonar (espirometria), exame simples e sem risco para o paciente, ajudam a fazer o diagnóstico de asma.

São indicativos de asma um ou mais desses sintomas: falta de ar, tosse crônica, chiado, aperto no peito ou desconforto torácico, particularmente à noite ou nas primeiras horas da manhã. Habitualmente, os sintomas são episódicos e a melhora pode ser espontânea ou com o uso de medicações específicas para asma (broncodilatadores, antiinflamatórios esteróides. Quando se faz o diagnóstico de asma, deve-se sempre procurar excluir outros diagnósticos alternativos.

6) Quais os objetivos do tratamento da asma?

Os objetivos a longo prazo são: alcançar um bom controle dos sintomas e manter os níveis normais de atividade, minimizar os riscos de exacerbações e efeitos colaterais da medicação.

Para atingir esses objetivos é fundamental que haja uma boa relação entre o paciente e o profissional de saúde que o atende.

Um bom conhecimento sobre sua doença pode mudar sua evolução. A asma deve ser tratada como um ciclo contínuo, com avaliações frequentes, ajustes no tratamento e atento a resposta terapêutica.

Quando tratamos um asmático, queremos conseguir diminuir os sintomas da asma e permitir que ele leve uma vida normal, sem que a asma atrapalhe seu trabalho, sua escola e seu lazer. Queremos, também, reduzir o risco de o asmático entrar em crise de asma e ter que ir para o Pronto-Socorro ou ter que internar num hospital. Também queremos que ele não tenha episódios de falta de ar e precise usar broncodilatadores de alívio. Finalmente, queremos reduzir o risco de morrer de asma.

7) Quem tem Asma pode (ou deve) praticar esportes, tomar banho frio e outras coisas?

Além do tratamento correto medicamentoso, devemos seguir as orientações contra os diferentes fatores que causam sintomas de asma.

O Asmático com sua doença sob controle pode tomar banho frio e nadar se quiser! Mas tem o seguinte: nem a temperatura da água do banho e nem a natação têm qualquer poder de melhorar a asma, não são remédios e não substituem os remédios. O que melhora a doença é o tratamento correto!

Mas precisamos lembrar que o desenvolvimento do corpo depende da atividade física que se faz e fazer atividade física sempre é bom! Na infância, são as brincadeiras e os jogos que fazem com que o corpo da criança desenvolva adequadamente.

Se a asma é uma doença que prejudica a respiração, é muito importante que os músculos que usamos para respirar estejam bem fortes, por isso, as crianças asmáticas devem ser incentivadas a brincar, correr, jogar bola, etc mas tratando sua doença.

Alguns pacientes tem sintomas de asma apenas quando fazem esforços físicos não tendo nenhuma manifestação fora desses momentos. Nesses casos, o asmático deve ser orientado por seu médico a usar um remédio que previna os sintomas da asma antes de fazer o exercício, e depois, fazer o exercício (mas o médico vai poder diferenciar se o sintoma SÓ EXISTE com o exercício ou se ele PIORA com o exercício o que é diferente para o tratamento correto).

Qualquer esporte, não apenas a natação, mas correr, jogar futebol, basquete, vôlei e outros, ajuda a desenvolver o corpo. O que importa é fazer esporte com frequência. As crianças com asma devem ser incentivadas e brincar e jogar e perceber que a doença não é um peso que elas tem que carregar e que as tornam diferentes das outras. É só tratar direitinho e ter uma vida completamente normal!!!!

8) Como aliviar a crise de asma?

O pior momento para o asmático é quando ele tem uma crise de asma. Nesse momento, existe o risco de uma crise muito grave causar a morte. Assim, o médico do asmático deve sempre ensinar como reconhecer que a crise está chegando e o que fazer nessa hora. Sempre que os sintomas da asma piorarem, o asmático deve ir para o Pronto-Socorro ou procurar seu médico.

O asmático pode ter uma crise de asma por diversas razões. Pode ser que o remédio que esteja usando não seja o mais adequado para o caso dele. Pode ser que ele não esteja fazendo o tratamento da maneira que o médico disse, seja por dificuldade de usar a medicação da maneira certa, seja por não estar tomando o remédio nos horários definidos pelo seu médico.

Outra razão pode ser o contato com fatores que causam ou pioram sintomas de asma, como poeira, cheiros fortes, fumaça de cigarro, gripes e resfriados, por exemplo. Por isso, o asmático deve sempre evitar todos os fatores que ele sabe que pioram sua asma. Finalmente, algumas crises de asma podem acontecer mesmo que o asmático esteja fazendo direitinho tudo o que seu médico recomendou. Seja qual for a causa da crise, ele deve sempre ir rápido para o Pronto-Socorro.

9) Qual o risco dos medicamentos utilizados para o tratamento da asma?

Os medicamentos de controle da asma são seguros para o uso contínuo e são pouco absorvidos pelo organismo, atuando principalmente nos pulmões. Não existe o risco de surgimento de dependência às medicações. O que observamos na prática é que quando não utilizados os sintomas da asma voltam pela falta de controle da doença. Por isso, o uso contínuo dos medicamentos é importante para o controle da doença, melhorando a qualidade de vida e diminuindo o risco de hospitalização e perda de função pulmonar, por exemplo.

Por outro lado, os medicamentos à base de cortisona por via oral ou injetável não são recomendados para uso prolongado, pois podem ter vários efeitos colaterais, como aumento da pressão e glicose e osteoporose, por exemplo.

Como tratar a asma em pacientes que tem dificuldade de usar os inaladores?

O melhor tratamento disponível para asma é o tratamento inalatório e deve ser tentado mesmo nos pacientes com dificuldades de uso dos inaladores. Hoje em dia existem vários tipos de inaladores para administração de medicações para asma. No caso de dificuldade de uso de um determinado tipo de inalador podemos utilizar outros tipos e o tratamento deve ser individualizado. Mesmo nas crianças e idosos podemos usar medicação inalatória através do uso dos espaçadores. Com estes aparelhos não há necessidade de inalações profundas, com a medicação sendo administrada pela respiração normal.

11) Posso tratar minha asma com vacinas?

Um dos tratamentos utilizados na asma alérgica é a imunoterapia, mais conhecidas como vacinas. A imunoterapia pode ser tentada após a análise do perfil de alergia de cada um. No entanto, ela não substitui o tratamento regular ou o controle do ambiente em que o asmático vive. No caso de dúvidas consulte seu médico.

12) Tenho asma e fiquei grávida. Devo interromper as medicações?

O controle da asma é fundamental na gravidez para que o bebê se desenvolva e nasça saudável. Existem medicamentos seguros para o tratamento da asma durante a gravidez, sendo recomendado o tratamento regular durante toda a gestação. No caso de dúvidas consulte seu médico para a escolha do melhor tratamento para você.

13) Por quanto tempo tenho de tratar a Asma?

Isso é imprevisível! A Asma é muito variável. Ela pode se manter atacada por toda a vida precisando de tratamento contínuo, pode desaparecer em uma certa época e nunca mais voltar, pode desaparecer e voltar mais tarde e assim por diante.

Dessa maneira deve-se manter acompanhamento médico constante e regular e é ele que poderá dizer se o tratamento não é mais necessário naquele momento.

Isso não quer dizer que a Asma está curada mas sim que não precisa de medicamento de controle naquele momento e poderá continuar assim (sem a doença se manifestar e sem necessidade de tratamento) por toda a vida ou não.